A sede do CICS é um Living Lab, um edifício concebido para demonstrar e testar soluções avançadas durante o uso do edificio.

O CICS Living Lab permitirá a avaliação das soluções durante seu uso e antes de ser introduzidas no mercado reduzindo os riscos associados a introdução de inovação em ambientes crescentemente complexos. O CICS Living Lab é também um espaço de demonstração de tecnologias avançadas de construção e que possam inspirar a todos a fazer melhor. O CICS Living Lab permitirá as empresas acelerar o processo de pesquisa, desenvolvimento e inovação, porque o tempo importa.

O edifício foi concebido como uma plataforma que irá facilmente permitir que seus sistemas, o seu envelope e seus componentes internos possam ser reconfigurados e trocados sem interrupção significativa da sua utilização. A adoção do conceito “plug-and-play” permitirá e facilitará que o CICS Living Lab viabilize a troca e receba novas configurações. É também uma tecnologia relevante para reduzir o impacto ambiental da construção.

Como Living Lab, o edifício será também um equipamento para P&D único no Brasil e um dos poucos no mundo: permitirá testar e aperfeiçoar em condições reais de uso e operação, quando integrado a outras soluções avançadas, reduzindo o risco e acelerando o processo de introdução das inovações no mercado. A característica de ser um edifício em uso, solidamente instrumentado operado por equipe multidisciplinar comprometida com o avanço do conhecimento e disposta a fazer concessões nas condições de uso, é o local ideal para testar novas soluções.

O projeto arquitetônico  foi concebido pelo escritório Aflalo & Gasperini  sob a responsabilidade do arquiteto Roberto Aflalo e desenvolvimento da Vivá Arquitetura. De linhas arquitetônicas arrojadas, o principal diferencial e do projeto está em pensar não só nas tecnologias que serão adotadas na época da construção, mas na possibilidade de teste de novas tecnologias para avaliar o desempenho. O projeto de arquitetura é peça fundamental para a concretização das ideias do LIVING LAB.

Segundo Roberto Aflao, da Aflalo e Gasperini  “Por se tratar de um edifício suporte para aplicação e teste de sistemas prediais em geral, desde sua estrutura, fechamentos, sistemas hidráulicos, elétricos, sinal/dados etc.., estamos propondo um edifício ” suporte “, relativamente simples na sua concepção, que permita esta flexibilidade extrema, necessária a sua finalidade. Teremos vias horizontais e verticais generosas ( shafts , entre forros e pisos elevados ) para abrigar a distribuição dos mais complexos sistemas.  Ao longo de sua vida útil poderemos ter constantes trocas de fechamentos, revestimentos, cobertura,sistemas de coleta de energia alternativos , etc.. que poderá alterar constantemente identidade do edifício. E justamente este aspecto dinâmico será a sua marca, e indicação do seu uso pleno.”

 

Agenda ambiental do projeto inclui soluções água, energia – incluindo geração decentralizada de energia na direção de edifício com zero-net energy balanço– condicionamento ambiental, iluminação, sistema construtivos, uso de novos materiais.  Suas características de Living Lab fazem um edifício para demonstrar soluções avançadas de instrumentação de edifícios. A vocação de demonstrar empurrar as fronteiras da tecnologia valoriza a busca de soluções que permitam maximizar os benefícios do processo produtivo, com soluções multifuncionais, sistemas reusáveis, sistemas adaptáveis ou ativos e geração decentralizada de energia. A integração dos edifícios ao mundo digital inclui soluções da área de internet-of-things (IoT), planejamento da vida útil, são também interesses.

“A visão investigativa e tecnologicamente inovadora da academia associada às questões da prática diária do setor da construção civil representa o grande diferencial no processo de projeto do CICS e na forma como pretende contribuir para futuras pesquisas. Esta complementariedade de visões entre academia e prática aqui encontrou um formato viável para se tornar real. A forma de desenvolver o projeto tem sido documentada e o processo de definição das soluções é sempre pautado por critérios que orientam as escolhas. Ao implementar a sustentabilidade no projeto fazemos escolhas por sistemas que hoje representam o melhor desempenho sócio ambiental, mas em pouco tempo, se comparado à vida útil da edificação, esta tecnologia pode ser substituída por outras que tragam melhor resultado. Assim, a flexibilidade para receber novos sistemas e testa-los guiou igualmente o processo.”  Milene Abla Scala –  Viva Arquitetura”

Como um Living Lab, o edifício do CICS privilegiara soluções de fácil manutenção, que facilitem a substituição de partes, incluindo fachadas e coberturas; revestimentos; isolantes e membranas; sistema de geração de energia, iluminação, condicionamento ambiental, água e esgoto e o desempenho do edifício e suas partes serão monitoradas de forma completa e permanente.

O edifício, em uso, abrigará laboratórios de pesquisa, salas de reunião e espaço multiuso para exposições e recepção de visitantes, sejam eles profissionais do mercado interessados nas tecnologias envolvidas ou grupos de alunos e estudantes.